Nave sem rumo


Quando parece que o Palmeiras vai atingir o fundo do poço, aparece uma nova pá e cava um pouco mais.

Depois de terminar o Paulista na 11a colocação, de ser eliminado na Copa do Brasil pelo glorioso Atlético-GO e de fazer uma partida ridícula contra o Vasco, pelo Brasileirão, mais uma crise chegou ao Palestra Itália.

O técnico Antonio Carlos foi demitido depois de um entrevero com Robert. Os motivos ainda não estão bem claros. Jogadores voltaram ao hotel além da hora estipulada pela comissão técnica, alguns com mulheres. O técnico não gostou e quis tirar satisfações. Aí, quem não gostou foram os jogadores, principalmente Robert. Alguns falam que chegaram às vias de fato. Outros, incluindo o ex-técnico, que só houve discussão verbal.

O fato é que Antonio Carlos Zago não é mais o técnico do Verdão. Robert, pelo que parece, também não joga mais no clube. Os outros jogadores ainda não tiveram seus nomes divulgados. Fala-se em Ewerthon, Mauricio Ramos e/ou Marquinhos.

Não dá para acreditar que uma coisa dessas aconteça num time grande como o Palmeiras. Coisas absurdas vêm acontecendo nos últimos meses. Jogadores de nome pararam de jogar, caso de Diego Souza, que brigou com a torcida e não veste mais a camisa verde. Mesma situação do Vagner Love, quando brigou com torcedores no ano passado.

O que falta acontecer para que uma medida drástica seja tomada pela presidência? Em menos de um ano, quatro técnicos passaram pelo clube. Luxemburgo, Jorginho, Muricy e Antonio Carlos. Alguma coisa está muito errada. O vice de futebol, Gilberto Cipullo, adora jogar a culpa na torcida, sem assumir sua culpa na incompetência que se transformou o departamento de futebol nos últimos anos. Se tivesse vergonha na cara e amor ao clube, pediria para sair. A gestão do presidente Beluzzo se mostrou a mais desastrosa dos últimos tempos, em termos de organização, planejamento e resultados. E olha que ele concorre com o abominável Mustafá!

Como salvar o Palmeiras? Como salvar um clube que está sendo destruído de dentro para fora? A reforma do estádio, por exemplo, já aprovada em assembléia pelos sócios, está sendo questionada por uma minoria, que quer rever todo o projeto, de novo. Essa gente não pensa no bem do clube, no bem do time ou no futebol. Pensa apenas em arrancar ao máximo as últimas migalhas de um clube que parou no tempo, que vive das glórias passadas e que não enxerga o futuro à sua frente. Beluzzo prometia mudar tudo isso, mas sua gestão se revelou equivocada. Os homens que trouxeram a Parmalat nos anos 90 não conseguiram retomar o caminho de glórias. Meteram os pés pelas mãos e, a cada crise, soltam a mesma conversa sobre a volta do mago Valdívia.

A diretoria poderia aproveitar a ocasião e sair junta. Assumir que não conseguiram administrar o clube e deixar o cargo. Beluzzo, Cipullo, Seraphin Del Grande… Não sei quem assumiria. Nem sei quem assumirá como técnico. Felipão é um sonho que não deve se realizar. Só se for por muito amor ao clube. Mas aceitar o cargo de técnico do Palmeiras hoje em dia é a maior furada que alguém pode se meter.

Como conseguiram chegar a esse ponto?

Anúncios

Um comentário sobre “Nave sem rumo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s