Jogo inesquecível



Sempre costumo ir aos jogos do Palmeiras sozinho. Talvez por não ter nenhum amigo palmeirense ou simpatizante, ou por alguns deles nem se interessar por futebol, ou por superstição, mesmo. Já me acostumei a ir sozinho aos jogos do Palmeiras deste os tempos da Série B, onde não havia coisa mais estranha (para os outros) que assistir jogo da segunda divisão sozinho, aos sábados à tarde.Um jogo inesquecível aconteceu no dia 4 de dezembro de 2005. Palmeiras e Fluminense no Palestra Itália, pela última rodada do Brasileiro.

O Palmeiras precisava ganhar de qualquer jeito para tomar a vaga do Fluminense na Libertadores de 2006. Um Fluminense que estava 10 pontos à frente do Palmeiras algumas rodadas antes, mas que havia perdido os últimos 4 jogos, fazendo a diferença cair para apenas 2 pontos. Naquela semana montei um esquema com o meu irmão para conseguir o ingresso para o jogo, pois passo a semana toda no Rio de Janeiro. Bola rolando, 27 mil pessoas pulando, cantando e empurrando o time.O Palmeiras começa atacando, atacando, e nada da bola entrar.Num ataque do Flu, o Pet passa por 3 marcadores e toca para um tal de Beto chutar. Marcos rebate e Tuta marca. Fluminense 1 a 0. O Palmeiras sentiu o gol e ficou atordoado. Não acertava mais passes, era só chutão da defesa para o ataque.

Na volta para o segundo tempo, o Verdão voltou melhor, mais articulado, mas a bola não entrava. Já tinha chutado 3 bolas na trave.Foi quando um pai falou para o filho que estava na minha frente:


– Agora vai entrar, filho.
– Quem vai entrar, papai?
– A bola, meu filho. A bola. E não é que a bola entrou? Marcos ficou com inveja do Rogério Ceni e acertou um lançamento de mais de 40 metros para o Gioino, que deve ser o pior atacante que a Argentina já produziu. O cara corre com a bola, sozinho, por uns 15 metros e vê o Washington (centroavante) na entrada da área. Ele cruza e Washington, no meio de dois zagueiros, consegue dominar, girar e bater de canhota no canto do gol! Golaço! O Palestra Itália delira! Todo mundo pulando e cantando!Depois de 4 minutos, Arouca do Fluminense, de quase do meio do campo, acerta um chute que nunca mais ninguém vai acertar na vida. O goleiro Marcos só esticou a mão por reflexo. A bola bateu no travessão, dentro do gol e saiu. Silêncio no Parque.

Todo mundo pensou: “Agora já era!” Isso aos 22 do segundo tempo!Depois de se recuperar do gol, o Palmeiras voltou a atacar, atacar, e nada da bola entrar. Só que, aos 28 minutos, o Palmeiras tem um “mini-escanteio” pela esquerda. Uma falta perto da linha de fundo. Juninho cobrou e o Pet desviou para a própria meta. Gol! Novamente o estádio todo delira! Eu grito feito um louco, xingando não sei o quê, não sei quem! 2 x 2.

O Palmeiras precisava ganhar o jogo para tomar a vaga da Libertadores do Fluminense.

A torcida começa a cantar:- Ô, ô, ô ô, O Palmeiras é o time da virada, o Palmeiras é o time do amor!!! Aos 35, faltando 10 minutos para o fim, falta na intermediária, entre o meio de campo e a grande área do Flu. Correa arruma a bola. Vai cruzar na área. Ele cruza, a bola sobe, sobe, cai, cai, passa por todo mundo, e entra! Gol do Palmeiras!!!!! Todo mundo pula, todo mundo grita! O cara que está ao meu lado me abraça! Nos abraçamos e começamos a pular!!!

Depois disso, o jogo foi mais tenso ainda! Nos 10 minutos finais, todo mundo no estádio estava em pé! E o tempo não passava! O Palmeiras era só chutão pra frente.

Numa bola lançada ao ataque do Palmeiras, Juninho corre e sente a virilha! Não poderia ser trocado, pois o Palmeiras já havia feito as 3 alterações. Resolveu continuar no jogo. Ele correndo, mancando, com a cara de dor, prendendo a bola e enchendo a torcida de alegria.

Quando o juiz apita o final do jogo, todos os jogadores se abraçam, os torcedores gritam, pulam, cantam! Ninguém saía do estádio.Olhei para as tribunas e o presidente e o diretor do Palmeiras pulavam e gritavam. O diretor Palaia, um velhinho de mais de 70 anos, pulava feito criança. Depois, na mesma tribuna, apareceu o José Serra (na época era prefeito). Não estava pulando, mas a alegria estava estampada no sorrriso de canto a canto da careca.! Aí foi só alegria, voltar para a casa, totalmente sem voz, e feliz!

Jogo: Palmeiras 3 x 2 Fluminense
Data: 04 de Dezembro de 2005 (Campeonato Brasileiro 2005)
Local: Estádio Palestra Itália – SP

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s